Textos

TEOREMA SOCIAL

Já é manhã
e nada mudou...
Quando abro
as notícias nos jornais
e sinto o teu perfume
no infame betume
que nos atola
nos litorais

Tresloucado capital
e o poder anormal
do controle social
proclamando
pelas ruas
Lucro, lucro, lucro!
E o desejo imperial

Nessa manhã
não me subjugo
e saio pelas praias
a catar seus restos
                     letais

E agora os manguezais
não respiram mais
Vaza seu líquido fatal
escurecendo os mares
num apocalipse total

Lá no supremo tribunal
com o seus olhares caolhos
os tribunos festejam
em macabros rituais
gritando seus vereditos
pelo lucro fácil do capital
ou pelo controle social

Lucro, lucro, lucro
louco e geral
Não temo o teu gosto
pelo poder infernal
Sinto-me em paz
sem os teus gráficos
banais

Oh! Liberdade
venha me visitar
nessa sociedade
na prisão social
tão necessária
e marginal
Rosalvo Abreu
Enviado por Rosalvo Abreu em 23/10/2019
Alterado em 23/10/2019
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Autor: Rosalvo Abreu). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários