Textos

AMOR DISFORME
Essa dor que dói
                  demais
que dói no peito
que dói no osso
que dói em toda
                     parte
Que dói...
tão profundamente
              desde moço

Essa fraqueza
Esse cansaço
tão contumaz
Essa palidez persistente
Esses olhos amarelados
que me fazem tão diferente
é como se fossem uma cruz
que carrego dentro de mim
e me deixa tão disforme
no meio da nossa gente

Oh! Meu Deus
quanta indiferença
Há tantos pelourinhos
ainda de pé a gemer
nessa enfermidade
como nos negreiros
que cruzaram os mares

Quanto olhar ímpio
e quanta maldade!
Quantas feridas abertas
sem necessidade

Isso não é destino!
Quanto sofrimento
e quantas foices
do abandono
a ceifar meninas
            e meninos

Mas em algum lugar
uma bandeira branca
                      se levanta
e a mão estendida do cuidado
será o refúgio, mais uma vez
dos que suplicam direitos,
amor e ética para um erro
aleatório da genética
- Dessa nobre e linda tez

(Homenagem aos pacientes com anemia falciforme que ainda sofrem pela falta de assistência)
Rosalvo Abreu
Enviado por Rosalvo Abreu em 04/10/2019
Alterado em 11/10/2019
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Autor: Rosalvo Abreu). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários