Textos

DISFARCES
Hoje levantei bem cedo
saí do meu ninho de amor
deixei o calor dos teus braços
com vontade de ficar

Na sala beijei as crianças
e segui em frente

Batente, batente!

Mal viro a esquina
calmamente recarrego o pente
e descarrego em tua face

Vejo o teu sorriso
sem graça
desfalecendo
l e n t a m e n t e

Do bolso saco outro pente
e desliso entre os cabelos
arrumando o meu disfarce

Sou gente
e entre os becos
e os guetos da cidade
vou amando
e odiando loucamente

Disfarces, disfarces
da nossa desvairada
humanidade
Rosalvo Abreu
Enviado por Rosalvo Abreu em 19/07/2019
Alterado em 19/07/2019
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Autor: Rosalvo Abreu). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários