Textos

MÃE - AMOR SEM PALAVRAS

Mesmo antes de se levantar
dos sonhos necessários,
de descer as escadas,
o seu jeito maternal
já acordava a casa
e a flor na janela
sorria inteira
lindas cores ao amanhecer

- Tome café, beba o suco
   e leve a merenda!
- Fez a tarefa? Se não fez,
   quando chegar, você vai ver!

E aquela voz que vinha de dentro
me acompanhava até o portão:
- Cuidado ao atravessar a rua!

E antes de ir à mesa
era ordem lavar as mãos,
comer tudo... feijão, salada,
carne e sobremesa de goiabada

E o mais gostoso do dia
iria acontecer
A turma na rua, jogar futebol
e o tempo vadio...

Mas antes tinha os reclames:
- Desarrume a mochila,
  lave a vasilha da merenda
  e pegue a sua agenda
- Faça as tarefas, uma por uma
  e sem pressa
- Às três o lanche,
depois arrume os livros
e as atividades para amanhã

Entre as suas pernas me prendia
e com beijos
e algumas reclamações ela cortava
as minhas unhas

Ao final da tarde
vinha o cansaço
e o apelo ao banho bem tomado
com cabelo lavado
e depois a sua inspeção

E o amor disfarçado de cuidados
cumpria mais um dia
sem palavras como:
"eu te amo”

E à noite depois da leitura
exigida
vinha o ataque de cócegas
e a minha irmã se jogava
na minha cama
Ela também queria

Juntos gargalhávamos
e ao toque
e ao cheiro daquelas
mãos, dormíamos

O amor vestiu-se de cuidar
e me cuidou
Pintou com belas cores
o meu dia a dia
e na janela a linda flor!

Hoje já maduro
sigo altivo
Carrego sorrateiro
no duro cotidiano,
entre as alegrias e as incertezas,
as marcas de um amor verdadeiro

(Homenagem às mães! Mãe, mão que cuida e protege! Meu olhar especial para Charliene Oliveira, mulher guerreira e protetora!)
Rosalvo Abreu
Enviado por Rosalvo Abreu em 10/05/2019
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Autor: Rosalvo Abreu). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários