Textos

ZABILA E O TRÊS OITÃO

Aprendi a amar Barrocas
E o povo da Boa União
É lá que queimo minha fogueira
Em noites de São João

No boteco do Zabila
Com os amigos encontrei
A grandeza do sertão
O cabra é meio torto
Mas grande é o seu coração

O homem é muito medroso
E além de feio é temeroso
O cabra tem até
Um pouquinho do tinhoso

Para largar a cachaça
Já fez promessa...
Amarrou fita no pé
E até bebeu chá de caneleiro
Misturado com mastruz

O homem é tão corajoso
Que corre da rã, da gia e do sapo
Como o diabo corre da cruz

Mas um dia no boteco
Rolou a maior confusão
Dona Maria gritava
No maior desespero

“O Zabila vai ser preso
Pela federal
Por falta do alvará
Pelo amor de Deus
Me ajude Josevá”

E no boteco do Zabila
Se formou logo um fusuê
O delegado John
Com a pistola na mão
Pedia calma a multidão

Não tenha medo meu povo
Eu sou amigo de Joseval
E noivo de Ana Célia,
E Marlon é como se fosse
Para mim um irmão

Se estou neste boteco
Não é por causa do alvará
Para mim o homem é ficha limpa
Já pescou robalo no sertão
Já bebeu água de cacimba
E adora um baião

O que me trouxe aqui
Foi um rosca de umbu
Uma cerveja bem gelada
E um aperto de mão.

E num gesto de abnegação
Botou o três oitão
Em cima do balcão
Dizendo: guarda pra mim
Zabila meu amigo
Zabila meu bom anfitrião

O Zabila ao ver o ferro
Com aquele canão
Se tremeu todo
Se apertou pelas paredes
E escorregou pelo chão

E Zé Beiju lá no canto
Não sabia se gritava
Não sabia se corria
Com uma mão no chapéu
E outra no calção

Zabila num grito quase louco
Disse: Ana Célia minha irmã
Me tire desse sufoco
Guarde esta 48
Pois nesse trem
Eu não pego não

Cuide disso aí
E beba uma 51
Pois vou acolá bem apressado
Matar uma preá pro delegado

E no boteco do Zabila
Acabou-se a confusão
Todos fizeram um brinde ao sertão
Ao povo de Barrocas
E outro para o John
O delegado nosso irmão
Rosalvo Abreu
Enviado por Rosalvo Abreu em 28/12/2018
Alterado em 30/12/2018
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, criar obras derivadas, fazer uso comercial da obra, desde que seja dado crédito ao autor original (Autoria Rosalvo Abreu).


Comentários