Textos

REVELAÇÕES

A orquídea florava mais uma vez
Enxertada no tronco do nim
E o jardineiro não jardinava
Usava Mata Mato para exterminar
As ervas daninhas do jardim

A borboleta flutuava pelo néctar
Nas flores dos jardins
O condômino apossava-se da rua
E nas manhãs aguava as frutíferas
Sorrindo para mim

A flor da orquídea era rosa matizada
De vermelho carmim
E o homem socava a esposa
Atrás da cortina de cetim

A orquídea de ano em ano
- Sorri uma bela flor -
E o tempo depurava o ódio
Do puro amor

Em cada quarto um louco sentimento
E nas esquinas as câmeras
Em busca de outros movimentos
Sorriam para mim


E a orquídea abria-se em flor
Discretamente no meu jardim
Rosalvo Abreu
Enviado por Rosalvo Abreu em 20/10/2018
Alterado em 21/10/2018
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Autoria Rosalvo Abreu). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários