Textos


A CIGANA

As linhas das minhas mãos
São calmas e profundas
Como as águas do ribeirão
Elas traçam encruzilhadas
E ciladas para o meu coração
São firmes e leves
E escondem segredos
Revelados na imaginação

As linhas das minhas mãos
Estão calejadas
Pela lida
Pela vida
E estão entrelaçadas
Com as linhas das tuas mãos
Levando-me por caminhos
Distantes da solidão

As linhas das minhas mãos
Ocultam tantos mistérios
E por entre elas escorrem
O sangue do punhal
A maciez do teu corpo
A força do soco
E o gesto de gratidão

E a vida caminha por um fio
Nas marcas tênues
Das linhas da minha mão


(Imagem:web)
Rosalvo Abreu
Enviado por Rosalvo Abreu em 24/09/2018
Alterado em 24/09/2018
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Autoria Rosalvo Abreu). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários