Textos


O QUADRO

O que trazes em tuas mãos?
Qual a razão
Desse semblante abstrato
O que nos apresenta?

Vejo o abismo assimilado
Na figura absoluta
Que a cada olhar
E a cada novo ângulo
Se transfigura

Sinto o amarelo
Resvalar-se no preto
Acomodando-se
Nos traços imprecisos
Que tangenciam o significado
Na minha memória

Peço-lhe o apreço!
Não o preço
Dessa simbólica arte
Que mesmo quando vista
Assemelha-se ao invisível
Traçando o intangível

Imagino a silhueta
De uma bela mulher grávida
Como a expressão exata
Da tua fecunda arte
Que anuncia o imponderável


(Homennagem ao amigo Geo, mágico do pandeiro, que junto o seu samba apareceu no BOTECO 31 trazendo uma obra de arte que acabara de adquirir)
Rosalvo Abreu
Enviado por Rosalvo Abreu em 29/08/2018
Alterado em 02/09/2018
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Autoria de Rosalvo Abreu). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários