Textos


DELÍRIOS

Na floresta dos delírios
das palavras
vi o silêncio plantado
na pedra.

Abracei os seus gorjeios

O sol me vestia com seu véu
e as árvores gentilmente
me emprestavam
seus chapéus de sombras

Nos delírios das florestas de palavras
                        [de Manoel de Barros]
esvazia-se o "interesse de informar"
Brota o novo, o espanto

A palavra cansou de ser informativa
Foi além, para o início...
Quer ser imaginativa


(Homenagem à Manoel de Barros, que gerou em mim um desconserto. Não havia metafísica, só poesia quântica. Imagem: Martha Barros)
Rosalvo Abreu
Enviado por Rosalvo Abreu em 27/08/2018
Alterado em 27/08/2018
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Autoria de Rosalvo Abreu). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários