Textos

SAIS E ESPUMAS
A banheira é do barco um reverso
E a vida se contradiz no meu verso

A banheira do meu quarto
É o meu barco à deriva
Que traz em si a imensidão
Do oceano em mim

Distante da crista ondulante
Meu olhar suado se perde
Entre as batalhas navais
Disputadas por seus
Loucos navegantes!
Rosalvo Abreu e Adriel Abreu
Enviado por Rosalvo Abreu em 19/01/2018
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Autoria de ROSALVO ABREU). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários