Textos

ARREPIOS
 
Nunca deixe de beijar
A minha submissa nuca
Devagar, bem devagarinho!

É lá que se abre as portas
Das comportas dos arrepios
Vá devagar, bem devagarinho!

Roça a sua língua na minha coxa
Beije e mordisque meu quadril viril
Vá devagar, bem devagarinho!

Por que a pressa?
Que exploda bem devagar
O nosso carinho
Devagar, bem devagarinho
Rosalvo Abreu
Enviado por Rosalvo Abreu em 13/01/2018
Alterado em 25/04/2018
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Autoria de ROSALVO ABREU). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários