Textos

AO POETA DE FERRO
Sou assim...
Despreparado!

Sou da felicidade,
Da terra Mater
E Essencialmente
Primordial.

Fui condenado a isso,
A minha epiderme é a alma,
E o meu choro agora
É só um jeito de saudade!

O poeta de ferro
Com suas palavras afiladas,
Férricas, acertou-me!
Liquefez a minha alma.

(Homenagem a Carlos Drummond. Poema: "A confidência de um itabirano")
Rosalvo Abreu
Enviado por Rosalvo Abreu em 13/11/2017
Alterado em 18/11/2017
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Autoria Rosalvo Abreuw). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários